Skip to content Skip to navigation Skip to footer

O que é hacking? | Tipos de invasão hacker

Fale conosco

Hacking — Definição, tipos, segurança e muito mais

Uma definição de hacking muito usada é o ato de comprometer dispositivos e redes digitais por meio de acesso não autorizado a uma conta ou sistema de computador. O hacking nem sempre é um ato mal-intencionado, mas é mais associado a atividades ilegais e furto de dados por criminosos cibernéticos. 

Hacking refere-se ao uso indevido de dispositivos como computadores, smartphones, tablets e redes para causar danos ou corromper sistemas, coletar informações sobre usuários, roubar dados e documentos ou interromper atividades relacionadas a dados.

Uma visão tradicional dos hackers é um programador invasor solitário que é altamente habilidoso na codificação e modificação de software de computador e sistemas de hardware. Mas essa visão limitada não abrange a verdadeira natureza técnica do hacking. Os hackers estão cada vez mais sofisticados, usando métodos de ataque furtivos projetados para passarem completamente despercebidos pelo software de segurança cibernética e pelas equipes de TI. Eles também são altamente qualificados na criação de vetores de ataque que induzem os usuários a abrir anexos ou links mal-intencionados e fornecer livremente seus dados pessoais confidenciais.

Dessa forma, o hacking moderno envolve muito mais do que apenas um garoto revoltado em seu quarto. É uma indústria multibilionária com técnicas extremamente sofisticadas e bem-sucedidas.

História de hacking/hackers

Hacking apareceu pela primeira vez como um termo na década de 1970, mas se tornou mais popular na década seguinte. Um artigo em uma edição de 1980 do Psychology Today publicou a manchete “The Hacker Papers” em uma exploração da natureza viciante do uso do computador. Dois anos mais tarde, dois filmes, Tron e WarGames, foram lançados, nos quais os personagens principais começaram a hackear sistemas de computador, o que introduziu o conceito de hackear para um público amplo e como um risco potencial à segurança nacional.

Obviamente, mais tarde naquele ano, um grupo de adolescentes violou os sistemas de computador de grandes organizações, como o Laboratório Nacional de Los Alamos, o Security Pacific Bank e o Sloan-Kettering Cancer Center. Um artigo da Newsweek que cobria o evento tornou-se o primeiro a usar a palavra “hacker” sob a luz negativa que ela mantém.

Esse evento também levou o Congresso a aprovar vários projetos de lei sobre crimes de informática, mas isso não impediu o número de ataques de grande destaque a sistemas corporativos e governamentais. É claro que o conceito de hacking se espalhou com o lançamento da internet pública, o que levou a muito mais oportunidades e recompensas mais lucrativas para a atividade de hacking. Isso fez as técnicas evoluírem e ficarem cada vez mais sofisticadas e deu origem a uma ampla gama de tipos de hacking e hackers.

Tipos de hacking/hackers

Há tipicamente quatro fatores principais que levam ao hacking de sites ou sistemas: (1) ganho financeiro por meio do roubo de dados de cartão de crédito ou fraude em serviços financeiros, (2) espionagem corporativa, (3) para ganhar notoriedade ou respeito por seus talentos de hacking e (4) hacking patrocinado pelo estado que visa roubar informações de negócios e inteligência nacional. Além disso, existem hackers com motivação política – ou hacktivistas – que visam chamar a atenção do público vazando informações confidenciais, como Anonymous, LulzSec e WikiLeaks.

Alguns dos tipos mais comuns de hackers que realizam essas atividades envolvem:

Black hat hackers

Os black hat hackers são os "vilões" do cenário de hacking. Eles lutam para descobrir vulnerabilidades em sistemas de computador e software para explorá-las de modo a obter ganho financeiro ou para fins mais mal-intencionados, como para ganhar reputação, realizar espionagem corporativa ou como parte de uma campanha de hacking de estado-nação. 

As ações dessas pessoas podem causar danos graves tanto aos usuários de computadores quanto às organizações para as quais eles trabalham. Eles podem roubar informações pessoais confidenciais, comprometer computadores e sistemas financeiros e alterar ou derrubar a funcionalidade de sites e redes essenciais.

White hat hackers

Os white hat hackers podem ser vistos como os “mocinhos” que tentam evitar o sucesso dos black hat hackers através do hacking proativo. Eles usam suas habilidades técnicas para invadir sistemas para avaliar e testar o nível de segurança da rede, também conhecido como hacking ético. Isso ajuda a expor vulnerabilidades em sistemas antes que os black hat hackers possam detectá-las e explorá-las. 

As técnicas que os white hat hackers usam são semelhantes ou até mesmo idênticas às dos black hat hackers, mas essas pessoas são contratadas por organizações para testar e descobrir possíveis brechas em suas defesas de segurança.

Grey hat hackers

Os grey hat hackers situam-se em algum lugar entre os bons e os maus. Ao contrário dos black hat hackers, eles tentam violar padrões e princípios, mas sem ter a intenção de prejudicar ou ganhar financeiramente. Suas ações são normalmente realizadas para o bem comum. Por exemplo, eles podem explorar uma vulnerabilidade para aumentar a conscientização de que ela existe, mas ao contrário dos white hat hackers, eles fazem isso publicamente. Isso alerta os agentes mal-intencionados sobre a existência da vulnerabilidade.

Dispositivos mais vulneráveis ao hacking

Dispositivos inteligentes

Dispositivos inteligentes, como smartphones, são alvos lucrativos para os hackers. Os dispositivos Android, em especial, têm um processo de desenvolvimento de software de código aberto mais inconsistente do que os dispositivos Apple, o que os coloca em risco de roubo ou corrupção de dados. No entanto, os hackers estão cada vez mais visando os milhões de dispositivos conectados à Internet das Coisas (IoT).

Webcams

As webcams incorporadas em computadores são um alvo de hacking comum, principalmente porque invadi-las é um processo simples. Os hackers normalmente obtêm acesso a um computador usando um Cavalo de Troia de Acesso Remoto (Remote Access Trojan, RAT) no malware rootkit, o que permite que eles não apenas espionem os usuários, mas também leiam suas mensagens, vejam sua atividade de navegação, façam capturas de tela e sequestrem sua webcam.

Roteadores

Hackear roteadores permite que um invasor obtenha acesso aos dados enviados e recebidos através deles e às redes que são acessadas neles. Os hackers também podem sequestrar um roteador para realizar atos mal-intencionados mais amplos, como ataques de negação de serviço distribuído (DDoS), falsificação do Sistema de nomes de domínio (DNS) ou criptomineração.

Email

O e-mail é um dos alvos mais comuns de ataques cibernéticos. Ele é usado para espalhar malware e ransomware e como uma tática para ataques de phishing, o que permite que os invasores direcionem as vítimas com anexos ou links mal-intencionados. 

Telefones desbloqueados por jailbreak

Fazer o jailbreak de um telefone significa remover as restrições impostas ao seu sistema operacional para permitir que o usuário instale aplicativos ou outro software não disponível em sua loja de aplicativos oficial. Além de ser uma violação do contrato de licença do usuário final com o desenvolvedor do telefone, o jailbreak expõe muitas vulnerabilidades. Os hackers podem ter como alvo telefones desbloqueados por jailbreak, o que lhes permite roubar quaisquer dados no dispositivo, mas também estender seu ataque a redes e sistemas conectados.

Prevenção contra ataques de hackers

Há várias etapas importantes e melhores práticas que as organizações e os usuários podem seguir para limitar suas chances de serem hackeados.

Atualização de software

Os hackers estão constantemente à procura de vulnerabilidades ou falhas na segurança que não foram vistas ou corrigidas. Portanto, atualizar software e sistemas operacionais é crucial para impedir que usuários e organizações sejam hackeados. Deve-se habilitar atualizações automáticas e garantir que a versão mais recente do software esteja sempre instalada em todos os seus dispositivos e programas. 

Usar senhas exclusivas para contas diferentes

Senhas ou credenciais fracas de conta e práticas de senha inadequadas são a causa mais comum de violações de dados e ataques cibernéticos. É vital não apenas usar senhas fortes que sejam difíceis de serem descobertas por hackers, mas também nunca usar a mesma senha para contas diferentes. Usar senhas exclusivas é crucial para limitar a eficácia dos hackers.

Criptografia HTTPS

Sites falsificados são outro veículo comum para roubo de dados, quando os hackers criam um site fraudulento que parece legítimo, mas na verdade rouba as credenciais inseridas pelos usuários. É importante procurar o prefixo HTTPS (Hypertext Transfer Protocol Secure) no início de um endereço da web. Por exemplo: https://www.fortinet.com.

Evite clicar em anúncios ou links estranhos

Anúncios pop-up também são amplamente usados por hackers. Ao clicar neles, eles induzem o usuário a baixar inadvertidamente malware ou spyware em seu dispositivo. Os links devem ser tratados com cuidado e links estranhos em mensagens de e-mail ou nas mídias sociais, em particular, nunca devem ser clicados. Eles podem ser usados ​​por hackers para instalar malware em um dispositivo ou levar os usuários a sites falsos.

Altere o nome de usuário e a senha padrão em seu roteador e dispositivos inteligentes

Os roteadores e dispositivos inteligentes vêm com nomes de usuário e senhas padrão. No entanto, à medida que os provedores enviam milhões de dispositivos, existe o risco de que as credenciais não sejam únicas, o que aumenta as chances de serem invadidas por hackers. É prática recomendada definir uma combinação exclusiva de nome de usuário e senha para esses tipos de dispositivos.

Proteja-se contra o hacking

Há outras medidas que os usuários e as organizações podem tomar para se protegerem contra a ameaça de hacking.

Fazer downloads de fontes primárias

Somente baixe aplicativos ou software de organizações confiáveis e fontes primárias. Baixar conteúdo de fontes desconhecidas significa que os usuários não sabem totalmente o que estão acessando e o software pode ser infectado com malware, vírus ou Cavalos de Troia.

Instalar software antivírus

Ter um software antivírus instalado em dispositivos é crucial para detectar possíveis arquivos e atividades maliciosos, e criminosos. Uma ferramenta antivírus confiável protege usuários e organizações contra os mais recentes malware, spyware e vírus e usa mecanismos de detecção avançados para bloquear e prevenir ameaças novas e em evolução.

Usar uma VPN

O uso de uma rede privada virtual  (VPN) permite que os usuários naveguem na internet com segurança. Ela oculta a localização e impede que hackers interceptem seus dados ou atividade de navegação.

Não fazer login como administrador por padrão

"Admin" é um dos nomes de usuário mais usados pelos departamentos de TI e os hackers usam essa informação para visar as organizações. Fazer login com esse nome o torna um alvo de hacking, portanto, não faça login com ele por padrão.

Usar um gerenciador de senhas

Criar senhas fortes e exclusivas é uma prática recomendada de segurança, mas lembrar-se delas é difícil. Os gerenciadores de senhas são ferramentas úteis para ajudar as pessoas a usar senhas fortes e difíceis de descobrir sem ter que se preocupar em se lembrar delas.

Usar autenticação de 2 fatores

A autenticação de 2 fatores (2FA) remove a dependência das pessoas em senhas e proporciona mais certeza de que a pessoa que acessa uma conta é de fato quem ela diz ser. Quando um usuário faz login em sua conta, ele é solicitado a fornecer outra evidência de identidade, como sua impressão digital ou um código enviado para o dispositivo.

Revisar as técnicas antiphishing

Os usuários devem compreender as técnicas que os hackers utilizam para atingi-los. Esse é especialmente o caso de antiphishing e ransomware, que ajudam os usuários a reconhecer os sinais indicadores de um e-mail de phishing ou de um ataque de ransomware.

O que é hacking ético? Qual é o nível de legalidade do hacking ético?

Hacking ético refere-se às ações realizadas pelos white hat hackers de segurança. Envolve obter acesso a sistemas e redes de computadores para testar possíveis vulnerabilidades e corrigir quaisquer pontos fracos identificados. Usar essas habilidades técnicas para fins de hacking ético é legal, desde que o indivíduo tenha permissão por escrito do proprietário do sistema ou da rede, proteja a privacidade da organização e relate todos os pontos fracos que encontrar para a organização e seus fornecedores.

Como a Fortinet pode ajudar

A Fortinet protege as organizações contra hackers com seu conjunto de soluções de segurança cibernética e inteligência contra ameaças líderes do setor. O serviço antivírus da Fortinet reduz o risco de malware causar uma violação de dados, bloqueia as ameaças mais recentes e protege as organizações contra ataques de dia zero. A solução antivírus da Fortinet desempenha um papel crucial na proteção de toda a superfície de ataque e ambientes de TI das empresas, desde sistemas locais e baseados em nuvem até IoT e dispositivos móveis.

Perguntas frequentes

O que é hacking?

Hacking é o ato de comprometer dispositivos e redes digitais ganhando acesso não autorizado a uma conta ou sistema de computador.

Quais são os sete tipos de hackers?

Há muitos tipos diferentes de hackers, sendo que os mais comuns são os black, grey e white hat hackers. Os black hat hackers são os vilões – os criminosos cibernéticos. Os white hat hackers ou hackers éticos são os mocinhos, enquanto os grey hat hackers situam-se no meio termo.

Outros tipos comuns de hackers incluem blue hat hackers, que são hackers amadores que realizam atos maliciosos como ataques de vingança, os red hat hackers, que procuram black hat hackers para evitar seus ataques e os green hat hackers, que querem aprender e observar técnicas de hacking em fóruns de hacking.

Outros tipos comuns de hackers são terroristas cibernéticos, hacktivistas, hackers patrocinados por estados ou países, script kiddies, usuários internos mal-intencionados e hackers de elite.

Qual é o maior hack da história?

Acredita-se que o maior hack da história seja a violação de dados contra o Yahoo! O ataque de 2013 comprometeu cerca de 3 bilhões de pessoas e a empresa revelou que todos os clientes do Yahoo! foram afetados por ele.

Qual país tem mais hackers?

Acredita-se que a China seja o país com o maior número de hackers perigosos. A maioria dos principais ataques cibernéticos que ocorreram no mundo todo pode ser rastreada até a China.